Postagens de fevereiro 12th, 2012


“A Surrealíssima Maria Gorda”

Quando resolvemos estudar contrabaixo e começamos a estudá-lo, muitas das vezes estamos vencendo uma batalha e começando outra.

Vencer os nossos próprios preconceitos de estudar um instrumento tão trambolhudo sem sabermos como será o futuro, ou mesmo de assumir a música como parte essencial da nossa vida, a despeito do que os nossos pais, cônjuges, filhos ou parentes acharão disso, ou mesmo passando por cima do que eles querem para nós, são algumas das lutas, entre muitas outras lutas, que talvez tenhamos tido para conseguir chegar perto de um contrabaixo e assumi-lo para nós mesmos e para o mundo.

Mas a maior batalha é a que ainda está por vir: continuar no contrabaixo, com todos os problemas que virão depois da nossa escolha.
Os problemas recorrentes são que nem vírus: voltam sempre piores e mais fortes…

Manter-se no contrabaixo é suportar a falta da grana que ainda não veio, mas que talvez – um dia – quem sabe venha.
É suportar as cobranças dos parentes, porque você só quer saber de música e não de trabalhar.
É suportar a insegurança de não saber se haverá mercado de trabalho que sustente as suas contas.
É ter medo da concorrência, principalmente quando se quer muito ser e estar contrabaixista, mas o tempo para estudar é dividido com um emprego, trabalho, família e/ou outros estudos.
É perceber a frustração nos olhos dos nossos pais ao verem nossos colegas e os filhos dos colegas deles escolherem profissões mais “promissoras”, ou sentir na alma a frustração dos nossos filhos pelos brinquedos que não poderemos dar ou pelas viagens que não poderemos fazer.
É não dormirmos direito com medo da nossa própria idade, ou termos insônia pelo complô de contas que podem nos sequestrar na calada da noite.
É não abrirmos o armário com medo do bicho-papão da falta de talento ou da falta de jeito para o contrabaixo, ou mesmo da hora de encerrar a carreira.
É convivermos com o pavor de estarmos errados e termos feito a escolha errada.

Muitas dessas angústias nem chegaremos a ter e outras nos acompanharão por toda a vida contrabaixística e por vidas não-contrabaixísticas também.
Portanto, você, eu, nós, nunca estaremos sozinhos nessas horas.

Posso dizer, pela minha vida contrabaixística, que consegui viver somente de contrabaixo até hoje, e lá se vão décadas.
Já foi mais fácil, mas ultimamente tem sido bem difícil.
Mas não posso me arrepender de não ter escolhido ser contrabaixista, ou seja, não posso me arrepender por não ter seguido o que quis.

Vejo muitos contrabaixistas preocupados com a sua própria idade e com medo de assumirem suas escolhas.
Tive um aluno com 66 anos de idade, e ele estava muito feliz por realizar um sonho: o sonho de estudar contrabaixo.

Hoje em dia, o estudo do contrabaixo para crianças e adolescentes está em franca expansão. Com isso, há cada vez mais contrabaixistas jovens e bons no mercado de trabalho.

Penso que o sonho de estudar contrabaixo ou de tocar contrabaixo é um sonho sem limites de idade.

Agora, tocar em uma orquestra profissional, por exemplo, ou de realizar aspirações mais avançadas como ser solista de orquestra ou ser professor de contrabaixo em uma universidade, dependerão muito do seu potencial no instrumento, do seu talento multifacetado para administrar a vida, e também do seu tempo de dedicação quase exclusiva ao contrabaixo, especialmente se você começar a estudá-lo a partir dos 22 anos, sem ter estudado nenhum outro instrumento antes.

Instrumento nessas horas é como um idioma: se você sabe mais de um instrumento ou mais de um idioma estrangeiro, você terá mais facilidade para os próximos e, no caso do contrabaixo, muito provavelmente também “queimará” algumas etapas do estudo do instrumento mais rápido que as pessoas que nunca tocaram um instrumento na vida.

Infelizmente, quando pensamos na dupla idade x profissão, temos que pensar no tempo de investimento no contrabaixo que faremos antes de começar a trabalhar com ele. Passar para uma orquestra profissional, e mesmo assim, mediante concurso, pode levar no mínimo cinco anos e em média oito anos, por exemplo.

Há opções que não exigem tanto tempo, como fazer concurso para tocar contrabaixo em bandas sinfônicas militares. O problema é que há exigência de idade para ingressar nos quadros militares, sem contar que a concorrência para esse tipo de serviço aumentou assustadoramente nos últimos anos.

Mas para tocar em casamentos e/ou shows com bandas, esse tempo é bem mais flexível: dois anos de estudo de contrabaixo bem estudados já são suficientes para você dar os primeiros passos, desde que não se acomode, porque aí a concorrência leva o seu lugar.

Não estou escrevendo que é para quem quer começar a estudar contrabaixo com 22 anos – ou mais -, desistir. Só você sabe é quem sabe se suportará esperar até os 27 ou 30 anos para concorrer à vaga na orquestra dos seus sonhos. É bom lembrar que o quadro de contrabaixistas pode estar completo por essa época. Isso sem contar que tem gente que não aguenta esperar nem dois anos, porque acha que tocar contrabaixo é só resolver hoje e dar recitais em dois meses.

Por isso, sou favorável a uma análise fria dos fatos. Se você chegar à conclusão de que é isso mesmo que você quer da sua vida, vá em frente!

Mas se as suas conclusões não forem tão precisas, e se o seu sonho contrabaixístico não se incomodar de ser adaptado, você poderá ter outro emprego ou outra profissão e fazer do contrabaixo um hobby e tocar numa orquestra amadora, por exemplo. Ou mesmo dar aulas em uma escola de música, ou dar aulas particulares, tocar em uma banda de shows ou em cerimônias de casamento, etc.
Com dedicação, você até poderá tocar contrabaixo em uma orquestra profissional que não esteja nos grandes centros urbanos.

Agora, para tudo isso você terá que ser tão ou mais forte do que quando resolveu peitar a vida e ser contrabaixista. Porque o contrabaixo e a Música não são para pessoas que vivem em dúvidas: são para pessoas que não se deixam sucumbir por elas, já que dúvidas todos nós temos, não é mesmo? O importante é o diferencial.

Árvore Maria Gorda (Imbondeiro) – África

Mas com 20 anos, eu ainda posso ser contrabaixista?
Na flor dessa idade, tudo ainda é possível, desde que se tenha objetivos, determinação, disposição para estudar, e autoestima suficiente para não esmorecer com a concorrência mais jovem e com a incerteza do futuro contrabaixístico.

E com 30 anos?
Na folha dessa idade, os sonhos profissionais com o contrabaixo são para serem vividos, mas com adaptações. Isso é possível, desde que você tenha consciência que a sua vida tomou muitos rumos e que o seu rumo com o contrabaixo é um caminho complementar. E ele será igualmente bonito, porque aprenderá a se dividir com os seus outros objetivos de vida.

E com 40 anos?
No caule dessa idade, muitos sonhos já se realizaram e o contrabaixo é agora mais um. Um sonho maduro, sensato e não um arroubo de juventude. Pode até ser a realização de um amor platônico pelo contrabaixo. Por que não? Esse é aquele amor que só quer ser sonhado e admirado, de pertinho, mas sem as cobranças dos grandes amores. Você, um banquinho e um contrabaixo em casa e a sua experiência de vida emoldurando o seu sonho contrabaixístico a se realizar tranquilamente.

E aos 50 ou 60 anos?
Nessa raiz da idade, estudar o contrabaixo é a realização da nostalgia de ser contrabaixista. É estar feliz por toda uma vida longe do contrabaixo, porque não há motivos para revoltas. É uma busca da fonte contrabaixística da juventude, daquela alegria serena que nos torna mais jovens, independente da idade real. É a alegria da alma!…

Portanto, penso que não há limite de idade para começar a estudar contrabaixo; os sonhos e objetivos com ele é que mudam ou precisam mudar…
Pois, como bem disse o famoso químico francês Antoine Lavoisier, “na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma…”

Licença Creative Commons
Orientacoes Contrabaixisticas by Voila Marques is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas License.

O nosso querido contrabaixo acústico, entre muitos outros apelidos, é também conhecido por Maria Gorda.

Aqui vai a lenda da Maria Gorda, de Paquetá (RJ), que achei aqui:

A famosa Maria Gorda, de Paquetá (Baobá – Imbondeiro Macho), plantada em 1917
Lenda da Maria Gorda
A Maria Gorda é um baobá – uma árvore que existe na Praia dos Tamoios, quase na esquina da Ladeira do Vicente. Ela é originária das savanas da África, e também existe em quantidade no asteróide B 612 de “O Pequeno Príncipe”, de Antoine de Saint-Exupéry…Ela é muito conhecida por aqui, não só por ser a maior representante do nosso reino vegetal e pela beleza das suas formas e das suas flores, mas também pela lenda que em torno dela se desenvolveu em Paquetá.
Maria Gorda é como os escravos chamavam Maria Apolinária da Nação Cabinda – uma mucama simpática e de sorriso largo, que trabalhava na casa de um rico comerciante português que morava na Ilha e que tinha muitos escravos.
Maria Apolinária não se conformava com a escravidão e principalmente com o que chamava de ingratidão dos seus senhores brancos, que moravam nas casas construídas pelos negros, andavam pelas ruas abertas pelos negros, comiam a comida plantada e preparada pelos negros, usufruíam do trabalho escravo realizado pelos negros… mas não mostravam sequer um ato de gratidão que marcasse a lembrança do trabalho africano por aqui…
E Maria Apolinária sempre dizia que marcaria essa história. Que quando morresse pediria aos seus orixás para que providenciassem uma forma qualquer de deixar enraizado em nossa Ilha essa lembrança da África negra, que se não era reconhecida no nome das ruas, das praças, e dos monumentos, de alguma forma o seria pela própria Natureza de Paquetá.
E assim realmente aconteceu: numa manhã de primavera, a rede de Maria Apolinária na senzala da casa do seu dono português amanheceu vazia… e ninguém nunca mais viu Maria – a “Gorda”… mas alguém notou que nesse mesmo dia, em frente à casa onde morava Maria, apareceu um arbusto que nunca existira em Paquetá e, ainda mais, que ao contrário do que sempre ocorre, este era um exemplar solitário, diferente do que costuma acontecer no seu local de origem: as savanas da África.
E dizem que no mesmo dia em que Maria Apolinária morreu a Maria Gorda nasceu fincando assim raízes profundas da África em Paquetá.
Placa que fica ao pé do Baobá Maria Gorda, Paquetá (RJ)

Que a nossa Maria Gorda contrabaixística traga sorte por longo prazo para nós, contrabaixistas, que a abraçamos todos os dias para fazer Música!…

Aqui está para vocês verem um maravilhoso canal com partituras contrabaixísticas de concerto e peças filmadas, junto com a execução em áudio de grandes contrabaixistas. 
Muito lindo e recomendadíssimo!

http://www.youtube.com/user/Doublebasscore/videos

Lindsey’s Bass Trailler

Notícia postada no blog http://bicycletruck.blogspot.com, por Pete Murray.

Trecho traduzido pelo Google Tradutor:

 Lindsey’s Bass Trailler

“Aqui está o trailer projetado para transportar um contrabaixo + ampères coisas + outros. O assoalho de tábuas de madeira é algo temporário, já que em breve vou estar aprendendo sobre vários tipos de tecido e como trabalhar com eles. Minha visão é de que ele tem um chão de tecido resistente, leve, com os lados da tela destacável e uma capa de chuva sol / / vento que cobre a coisa toda. Fique atento para a evolução do departamento de tecido.
Além disso para o chão tecido permanente (que será, na realidade, em breve), há um piso destacável de madeira feita a partir de 1/2 contraplacado (não ilustrado). Material pesado. É forte, e é realmente pesado. O chão de madeira completa pesa cerca de tanto como a moldura reboque por si só.
[By the way, eu não tenho um número exato, mas o chassis do reboque pesa um pouco mais do que uma bicicleta comum, provavelmente cerca de 30-35 £. Eu podia ver uma redução no peso, se eu fosse para mudar para materiais mais caros, como thin-walled tubulação de chromoly ou alumínio 6061. A redução no peso iria provocar um aumento no custo, nenhuma surpresa. ]
Enfim, sobre o piso de madeira amovível, parece uma maca de madeira, como ele é cortado para caber exatamente dentro do trailer. O destacável (e pesado) piso de madeira deve ser usada para viagens ocasionais em que o reboque precisa carregar objetos muito densos ou cortantes. O motivo: tecido vai rasgar se você se concentrar a carga em um ponto. Por exemplo, se o reboque precisa ir para um trabalho de paisagismo e levar algumas ferramentas como pás, ancinhos e também alguns sacos pesados ​​de cobertura morta e solo. Oh não! Será que não deseja que o ancinho para perfurar o tecido chão! :)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Blog da Voila Marques © 2011 Todos os direitos reservados - Com tecnologia WordPress & Web Design Company
[ Início ]