Postagens de maio 26th, 2011


Sempre que se pensa em contrabaixo vem a dúvida “isso cabe num carro?”, e até mesmo o veredito final para desistir de estudar contrabaixo, porque “aquilo não cabe num carro!”.
Felizmente, posso afirmar que cabe não só num carro, como em todos, assim como posso agradecer quem desistiu do instrumento por esse motivo, pois assim o mercado de trabalho ficou menos concorrido…
Dicas:
1) Contrabaixo acústico cabe em qualquer carro + motorista + 01 ou 02 pessoas atrás.
Se você for levar banco, use o porta-malas (opção nº1) ou o coloque na frente, junto com o contrabaixo (para os apressadinhos e esquecidos de plantão);
2) Caso você utilize táxi, só é necessário que o banco do co-piloto abaixe para trás;
3) Caso você utilize rádio-táxi, convém avisar que irá levar um contrabaixo e que não há necessidade de ser um carro “utilitário” (como são classificados os carros tipo “perua”);
4) Os taxistas podem cobrar a mais por “volume”, mas isso é muito raro de acontecer.
Em duas décadas carregando contrabaixo de táxi, encontrei três taxistas que cobraram a mais para transportar o contrabaixo.
Caso isso aconteça, não se acanhe de pedir para ler as normas de cobrança. Se o taxista quiser se valer de um direito dele, faça valer também o seu direito de estar a par do percentual que pode ser cobrado pelo “volume” extra;
5) Se você achar conveniente, dê uma gorjetinha para o taxista (entre 10 e 20% do valor da viagem).

Licença Creative Commons
Orientacoes Contrabaixisticas by Voila Marques is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas License.

Oriente a empregada ou diarista a:
1) Carregar o contrabaixo sem segurá-lo pelo cavalete (que é “preso” só com a pressão das cordas);

2) Usar duas flanelas sempre secas para limpar o contrabaixo: uma só para limpar o pó da resina, entre o cavalete e o estandarte; outra para limpar o restante do instrumento, senão o instrumento fica todo “grudento” com o tempo;

3) Apoiar o contrabaixo em pé num canto da parede, assentando bem a parte superior do tampo nessas “quinas”, com o braço paralelo à linha do canto da parede e com o cavalete para a parte de dentro.
Isso evita que alguma coisa ou alguém esbarre no cavalete ou nas cordas e derrube o instrumento;

4) Se precisar deixar o contrabaixo “sentado” numa cadeira, que o faça apoiando o “C” (aquela curva que fica nas laterais e que divide o contrabaixo em duas partes bojudas) bem para dentro do assento da cadeira. Deixar o instrumento na beiradinha da cadeira pode ser fatal para ele e/ou para o seu bolso;
5) Não deixar o contrabaixo apoiado no banco de contrabaixo ou deitado no chão. As chances de alguém passar correndo e derrubar o instrumento ou de tropeçar nele existem, mesmo que remotas;

6) Segurar o arco pelo talão (madeira) e nunca pela crina;

7) Colocar o arco pendurado nas cravelhas do contrabaixo, na caixa de arco ou num tubo;

8 ) Nunca deixar o arco em cadeiras e sofás. Bumbuns desatentos podem achatar arcos dublês de almofadas;
Se você preferir, oriente a empregada a não mexer no contrabaixo e cuide você mesmo da limpeza do bonitinho.

Ensine as crianças a:
1) Respeitar o contrabaixo que, como o nome já diz, é contra baixinhos. Portanto, nada de bola, boneca e carrinhos por perto dele e, menos ainda, de lápis, canetinhas e balinhas dentro dele;
2) Não colocar os dedos na crina do arco, porque a gordura natural das mãos interfere na resina e deixa o som do instrumento entrecortado no local por onde os dedos passaram.

Licença Creative Commons
Orientacoes Contrabaixisticas by Voila Marques is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas License.

Diz o ditado que família a gente não escolhe. Gente que nem a gente, o contrabaixista também não escolhe os vizinhos…

Esse é o meu guia pessoal sobre o assunto:
1) Não abra mão do seu direito de tocar de acordo com a lei do silêncio (certifique-se do horário no seu estado ou município).
Danem-se as caras feias, as indiretas, as batidas de vassoura no teto ou no chão, vindas de algum apartamento vizinho, etc.
Não importa se você está tocando ou estudando para melhorar a sua performance, para mudar de emprego, ou porque quer.
Faça porque você quer e, se perguntarem, a frase “fi-lo porque qui-lo” cairá como uma luva –de boxe- nos ouvidinhos sensíveis daqueles chatos;

2) O som do contrabaixo costuma ir para cima e sumir, mas se você quiser se sentir com a consciência menos pesada, já que de pesado basta o próprio contrabaixo, use uma surdina de estudo (Rubber Practice Mute for Double Bass).
Esse objeto é algo que se assemelha a uma dentadura de burro, feita de borracha, e que é colocado sobre o cavalete. Ele deixa o som do instrumento com menos ressonância, tipo um Pato Donald com laringite.

Note que essa surdina não é igual às surdinas de borracha usadas em orquestra, que são menores e bem menos eficientes.
Se você preferir, coloque pregadores de roupa bem duros em todo o cavalete. Isso também abafará o som do contrabaixo;
3) Um tapetinho de borracha embaixo do contrabaixo também ajuda a diminuir a ressonância.
Esta mágica só funcionará se você se lembrar de que as 1001 “noites” do tal tapetinho vão até as 22h, aproximadamente;
4) Se você tiver um quarto ou um cômodo onde você possa estudar sem ser importunado, ótimo.
Caso não tenha, uma negociação de horários vai bem, principalmente, se as pessoas que moram com você não curtem o contrabaixo e/ou o contrabaixista e/ou a música que você está tocando.
Essa dica manterá os que ainda gostam do contrabaixo e/ou do contrabaixista no seu time;
5) Tenha pena do parente ou do vizinho: evite tocar aquele mesmo estudo ou aquela mesma música por horas a fio, porque nessa situação não há ouvido que pegue anestesia;

6) Depois que você passar das primeiras lições, estude e toque uma música inteligível para presentear a vizinhança após uns estudos insuportáveis.
Você então será cumprimentado no elevador, elogiado nos corredores, etc. Com esse procedimento simples, você presenteará os ouvidos alheios e o seu próprio ego.
Para que você não se decepcione com o seu futuro fã-clube, é importante lembrar que a reclamação vem de foguete, o alívio vem de carro e o elogio vem de burrico, certo?

7) Se o complô continuar, improvise ou diga que você está vendendo o contrabaixo para estudar bateria ou trompete.
Você pode não ter tido escolha no que diz respeito à sua família ou aos seus vizinhos, mas nessa hora, eles farão a mesma escolha que você fez: contrabaixo!
Simplesmente, relaxe e toque!…

Licença Creative Commons
Orientacoes Contrabaixisticas by Voila Marques is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas License.

Exercícios “coringa” para pizzicato de três ou dois dedos (com corda solta) ou para o arco (com corda solta)

Os exercícios que postarei agora podem ser feitos tanto com arco, quanto com pizzicato, e são uma espécie de “coringa contrabaixístico”, ou seja, eles podem ter muitas utilidades, dependendo dos objetivos e do tipo de estudo.

OBS1 (pizzicato):
Se você usar dois dedos para fazer o pizzicato, é só ignorar os exemplos com dedo 3.
Os exemplos dados devem ser feitos, inicialmente, em corda solta;
Não há dedilhado.

OBS2 (arco):
Faça os exercícios com cordas soltas;
Não há dedilhado.
Com o tempo, acrescente outras notas ao exercício.

1) Nos exercícios de duas notas:

a) acentuar somente as 1ªs notas: sol-sol; sol-sol; sol-sol, etc;
b) acentuar somente as 2ªs notas: sol-sol; sol-sol; sol-sol, etc.

2) Nos exercícios de três notas:

a) acentuar somente as 1ªs notas: sol-sol-sol; sol-sol-sol; sol-sol-sol, etc;
b) acentuar somente as 2ªs notas: sol-sol-sol; sol-sol-sol; sol-sol-sol,etc;
c) acentuar somente as 3ªs notas: sol-sol-sol; sol-sol-sol; sol-sol-sol, etc.

3) Nos exercícios de quatro notas:

a) acentuar somente as 1ªs notas: sol-sol-sol-sol; sol-sol-sol-sol; sol-sol-sol-sol, etc;
b) acentuar somente as 2ªs notas: sol-sol-sol-sol; sol-sol-sol-sol; sol-sol-sol-sol, etc;
c) acentuar somente as 3ªs notas: sol-sol-sol-sol; sol-sol-sol-sol; sol-sol-sol-sol, etc;
d) acentuar somente as 4ªs notas: sol-sol-sol-sol; sol-sol-sol-sol; sol-sol-sol-sol, etc.

Os acentos em grupos de cinco notas, seis notas, sete notas, etc, devem ser feitos da mesma forma acima (acentuando uma nota em cada grupo), e também através de subdivisões matemáticas.
Ex:
a) um grupo de cinco notas pode também ser executado como um grupo de 3+2 ou 2+3, 4+1, etc;
b) um grupo de seis notas pode também ser executado como um grupo de 2+2+2, 3+3, 4+2, etc;
c) um grupo de sete notas pode também ser executado como um grupo de 4+3, 3+4, 5+2, 1+6, etc.

E para esse “coringa contrabaixístico”, vale o que já escrevi:
As possibilidades matemáticas de variantes desses exercícios são infinitas (com notas repetidas ou não, com dedos repetidos ou não, com notas presas ou com cordas soltas, com notas presas e cordas soltas alternadas, com ritmos iguais ou com ritmos diferentes, com ritmos alternados, com notas ligadas ou articuladas, com articulações alternadas, em andamentos variados, em escalas, terças, quartas, quintas, com desenho ascendente, com desenho descendente, etc.).

Licença Creative Commons
Orientacoes Contrabaixisticas by Voila Marques is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas License.

Exercícios “coringa” para pizzicato de três ou dois dedos (com corda solta) ou para o arco (sem corda solta):

1) Ritmos iguais (três notas) e dedos iguais:

(desenho 111): sol-sol-sol (tudo com o dedo 1) repetir;
(desenho 222): sol-sol-sol (dedo 2) repetir;
(desenho 333): sol-sol-sol (dedo 3) repetir.
Continuação para quem usa arco:
(desenho 444) repetir.

2) Ritmos iguais (três notas) e dedos variados:

(desenho 112): sol-sol (1)-sol (2);
(desenho 223): sol-sol (2)-sol (3);
(desenho 332): sol-sol (3)-sol (2);
(desenho 221): sol-sol (2)-sol (1);
(desenho 113): sol-sol (1)-sol (3);
(desenho 331): sol-sol (3)-sol (1).
Continuação para quem usa arco:
(desenho 114);
(desenho 224);
(desenho 334);
(desenho 443);
(desenho 442);
(desenho 441).

(desenho 122): sol (1)-sol-sol (2);
(desenho 233): sol (2)-sol-sol (3);
(desenho 322): sol (3)-sol-sol (2);
(desenho 211): sol (2)-sol-sol (1);
(desenho 133): sol (1)-sol-sol (3);
(desenho 311): sol (3)-sol-sol (1).
Continuação para quem usa arco:
(desenho 144);
(desenho 244);
(desenho 344);
(desenho 443);
(desenho 442);
(desenho 441).

(desenho 123): sol (1)-sol (2)-sol (3) repetir;
(desenho 123): sol (1)-sol (2)-sol (3)/ sol (3)-sol (2)-sol (1) repetir;
(desenho 123): sol (1)-sol (2)-sol (3)/ sol (2)-sol (1)-sol (2)/ sol (3)-sol (2)-sol (1)/ sol (2)-sol (3)-sol (2) repetir.
Continuação para quem usa arco:
(desenho 1234): sol (1)-sol (2)-sol (3)/ sol (4)- sol (3)-sol (2) repetir;
(desenho 1234): sol (1)-sol (2)-sol (3)/ sol (4)/ sol (1)-sol (2)/sol (3)- sol (4) sol (1)/ sol (2)-sol (3)-sol (4) repetir;

3) Ritmos iguais (quatro notas) e dedos iguais:

(desenho 1111): sol-sol-sol-sol (tudo com o dedo 1) repetir;
(desenho 2222): sol-sol-sol-sol (dedo 2) repetir;
(desenho 3333): sol-sol-sol-sol (dedo 3) repetir.
Continuação para quem usa arco:
(desenho 4444) repetir.

4) Ritmos iguais (quatro notas) e dedos variados:

(desenho 1222): sol-sol-sol (1)-sol (2);
(desenho 2223): sol-sol-sol (2)-sol (3);
(desenho 3332): sol-sol-sol (3)-sol (2);
(desenho 2221): sol-sol-sol (2)-sol (1);
(desenho 1113): sol-sol-sol (1)-sol (3);
(desenho 3331): sol-sol-sol (3)-sol (1).
(desenho 1231): sol (1)-sol (2)-sol (3)-sol (1) repetir;
(desenho 2312): sol (2)-sol (3)-sol (1)-sol (2) repetir;
(desenho 3123): sol (3)-sol (1)-sol (2)-sol (3) repetir;
Variante: fazer esses três últimos desenhos seguidos, sem repetir cada um.
Continuação para quem usa arco:
(desenho 1444);
(desenho 2444);
(desenho 3444);
(desenho 4333);
(desenho 4222);
(desenho 4111);
(desenho 2341):
(desenho 3412);
(desenho 4123);
Variante: fazer esses três últimos desenhos seguidos, sem repetir cada um.

OBS:
a) Enquanto você toca notas repetidas, procure “igualar” o som dos dedos;
b) No início, faça tudo devagar;
c) Aumente a velocidade no metrônomo, conforme os dedos forem ficando mais firmes e ágeis e também quando você já conseguir “automatizar” bem o desenho estudado.

Variantes:
a) ritmos diferentes (na mesma corda) com o mesmo dedo (duas notas iguais, três notas iguais, quatro, etc.);
b) ritmos diferentes, variando os dedos;
c) acrescentar a 2ª corda (ré) e fazer os estudos nas duas cordas;
d) acrescentar a 3ª corda (lá) e fazer os estudos nas três cordas;
c) acrescentar notas presas.

Há ainda a possibilidade de aumentar o nº de notas repetidas. Ex: 5= 3+2 ou 2+3 ou 4+1 ou 1+4, ou 2+2+1, etc; 6= 3+3 ou 2+2+2 ou 1+ 3+1, etc; 7= 4+3 ou 3+4 ou 3+2+2, etc.

As possibilidades matemáticas de variantes desses exercícios são infinitas (com notas repetidas ou não, com dedos repetidos ou não, com notas presas ou com cordas soltas, com notas presas e cordas soltas alternadas, com ritmos iguais ou com ritmos diferentes, com ritmos alternados, com notas ligadas ou articuladas, com articulações alternadas, em andamentos variados, em escalas, terças, quartas, quintas, com desenho ascendente, com desenho descendente, etc.).

Licença Creative Commons
Orientacoes Contrabaixisticas by Voila Marques is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas License.

Exercícios “coringa” para pizzicato de três ou dois dedos (com corda solta) ou para o arco (sem corda solta):

Os exercícios que postarei agora podem ser feitos tanto com arco, quanto com pizzicato, e são uma espécie de “coringa contrabaixístico”, ou seja, eles podem ter muitas utilidades, dependendo dos objetivos e do tipo de estudo.

OBS1 (pizzicato):
Se você usar dois dedos para fazer o pizzicato, é só ignorar os exemplos com dedo 3.
Os exemplos dados devem ser feitos, inicialmente, em corda solta;
O dedilhado dado é para a mão direita.

OBS2 (arco):
Faça os exercícios com todos os dedos da mão esquerda, independente de usar 1-2-4 ou 1-3-4.
Os exemplos dados devem ser feitos sem corda solta, como um treinamento constante para a mudança de posição e/ou dedo.
O dedilhado dado é para a mão esquerda. Por isso, treine sempre um pequeno grupo, porque tocar sempre o sol preso fica monótono.
Com o tempo, acrescente outras notas ao exercício, mas tente manter o dedilhado original.

Alguns exemplos de utilização e de objetivos dos exercícios:

a) Pizzicato: podem ser feitos sem acentos, para uniformizar o som e/ou igualar a pressão dos dedos e/ou condicionar os dedos, etc;
aa) Arco: podem ser feitos sem acentos, para uniformizar o som e/ou padronizar a quantidade de arco (arco inteiro, ½ arco, ¼ de arco, etc, e/ou para trabalhar os pontos específicos do arco (talão, meio e ponta), etc;

b) Pizzicato: podem ser feitos com acentuações variadas, para trabalhar a variação de pressão nos dedos e/ou o “swing”, etc;
bb) Arco: podem ser feitos com acentuações variadas, para trabalhar a variação de pressão e velocidade da mão direita e/ou para trabalhar a “irregularidade” do desenho e as “compensações” na quantidade de arco, etc;

c) Pizzicato e /ou arco: podem ser feitos com ligaduras ou não, para trabalhar articulações variadas, etc;

d) Pizzicato: podem ser feitos com variação de dinâmica, para trabalhar a variação de pressão nos dedos e/ou a expressividade, etc;
dd) Arco: podem ser feitos com variação de dinâmica, para trabalhar a variação de pressão da mão e do braço direitos e/ou usar pontos de contato diferentes do instrumento (perto do espelho, do cavalete, etc) e/ou desenvolver a expressividade, etc;

e) Pizzicato: podem ser feitos com variação de velocidade, para trabalhar a precisão dos dedos e/ou a clareza das notas, etc;
ee) Arco: podem ser feitos com variação de velocidade, para trabalhar a sincronia do movimento das mãos e/ou para trabalhar pequenas partes do arco e/ou a clareza das notas, etc;

f) Pizzicato e/ou Arco: podem ser feitos de muitas outras formas e/ou com muitos outros objetivos.

Licença Creative Commons
Orientacoes Contrabaixisticas by Voila Marques is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas License.

d) Experimente imitar o movimento oscilante das ondas do mar (~) só com a mão direita, enquanto puxa o arco. Deixe o cotovelo se mexer para baixo e para cima. Deixe o pulso e o braço articularem bem o movimento para baixo e para cima.
Ele é ótimo para se sentir o peso do arco sem fazer força e é bem relaxante.
Deixe o braço flexível. Não ligue se o movimento ficar exagerado e a ponta do arco ficar desenhando movimentos de “X” grande;
e) Segure o arco com a mão direita, leve-o um pouquinho para a esquerda e deixe-o cair sobre a corda (movimento de semicírculo para baixo). Você ouvirá um som estranho de crina na corda, mas é assim mesmo.
Depois que você sentir esse som, puxe o arco como está, para a direita, tirando uns 20 cm de “som”. Levante o braço, leve-o para a esquerda e repita o exercício. Pense nesse exercício todo como um movimento “oval”, mais curto na altura e mais longo nos deslocamentos para a esquerda ou direita do braço.
Esse exercício deve ser feito com o movimento do braço vindo das escápulas (perto do pulmão).

Com isso você:
1) Trabalhou “passivamente” o braço e a mão direitos em movimentos retos, com o peso do braço transferido para a mão esquerda, para se conscientizar de que a força não é necessária (ex “a”);

2) Abriu e fechou a mão e sentiu o peso necessário para segurar o arco sem que ele caia da mão (ex “b”);

3) Sentiu o peso necessário da mão e do braço para trabalhar no meio do arco (ex “c”);

4) Sentiu o peso necessário do braço para segurar e movimentar o arco (ex “d”);

5) Trabalhou com o peso do corpo, utilizando para isso o movimento do braço vindo das escápulas (ex “e”).

Licença Creative Commons
Orientacoes Contrabaixisticas by Voila Marques is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas License.

Ao tocarmos não usamos força, mas sim o peso do corpo sobre o instrumento.

Aqui vão alguns exercícios para relaxar a mão direita.
Faça-os sempre em frente a um espelho, mesmo que pequeno, e na 2ª corda (ré), porque ela é mais “centralizada”:
a) Coloque o arco sobre a corda, segurando-o normalmente com a mão direita. Ao mesmo tempo, se “pendure” sobre o contrabaixo, e segure a ponta do arco também, só que com a mão esquerda.
Deixe que a mão esquerda direcione e “leve” o arco, primeiramente usando bem pouca quantidade de arco, que vai sendo aumentada gradativamente. Aos poucos, vá também tirando a mão esquerda e recolocando, até a mão direita se acostumar sozinha com o peso do arco, sem você precisar usar força;
b) Com o arco parado sobre a corda, toque como se “amassasse” levemente um pãozinho bem pequeno que estivesse na sua mão direita, ou seja, flexione os dedos e estique ligeiramente e devagar, repetindo esse movimento algumas vezes.
Repita agora esse movimento puxando o arco.
Esse movimento é muito importante para a distribuição equilibrada do peso dos dedos, e dá para sentir bem o polegar, porque ele também estica e encolhe. Não se incomode com o som que ficará entrecortado;

c) Experimente imitar o movimento de quando quicamos uma bola de basquete no chão repetidas vezes, só com a mão direita, enquanto deixa o arco parado sobre a corda. Ele fica no mesmo lugar sempre, se possível, no meio da vareta. Cuide do cotovelo para que não fique para baixo e para cima (ele mexe quase nada). Deixe o pulso articular bem o movimento para baixo e para cima. Ele exercício é ótimo para se sentir o peso do arco sem fazer força. Não ligue se a ponta do arco ficar desenhando movimentos de “X” pequeno;

Licença Creative Commons
Orientacoes Contrabaixisticas by Voila Marques is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas License.

A partir da nota Mi da 1ª corda (sol) é possível fazer esses exercícios usando o capotasto (polegar).
Para isso, basta pensar na escala de sol Maior, usando somente o capotasto: sol – lá, sol – si, sol -dó, sol, ré, etc.

OBS: Faça esse exercício aos poucos (sol – lá, sol – si), nos primeiros dias, evitando sempre o dedo “queimado”. Quando ele começar a ficar dolorido e/ou com a pele muito fina, é hora de parar. Assim, você evitará as doloridas bolhas.

Licença Creative Commons
Orientacoes Contrabaixisticas by Voila Marques is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas License.

O estudo anterior serve para:
1) Fortalecer os dedos, trabalhar a independência dos dedos, melhorar a mudança de posição, “precisar” a afinação (objetivos com a mão esquerda);
2) Melhorar as notas ligadas, “limpar” o som com as duas cordas intercaladas, equilibrar as notas duplas (objetivos com a mão direita).

Outras variantes:
a) Pode-se também fazer esse estudo na corda ré, intercalando com a corda sol;
b) Pode-se também fazer esse estudo nas outras cordas, intercalando com as cordas à direita (mais graves);
c) Pode-se também fazer esse estudo nas cordas mais graves, intercalando com as cordas à esquerda (mais agudas).

OBS:
1) Esse estudo também pode ser feito até notas mais agudas, a critério de quem o está fazendo.
2) Serve como “aquecimento”, quando feito no início do estudo ou antes de tocar alguma peça.

Licença Creative Commons
Orientacoes Contrabaixisticas by Voila Marques is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Não a obras derivadas License.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Blog da Voila Marques © 2011 Todos os direitos reservados - Com tecnologia WordPress & Web Design Company
[ Início ]